Bolsa personalizada: você teria coragem?

No último dia 14, estreou o seriado que vai substituir Gossip Girl na grade CW: The Carrie Diares. Acho que vocês devem ter ouvido os burburinhos sobre ele, já que conta um pouco da vida de Carrie Bradshaw – ela mesma, de Sex and the City – quando adolescente. Já li os dois livros nos quais a série se baseia – The Carrie Diares e Summer and the City – e gostei bastante! Lógico que a versão televisiva não é completamente fiel à dos livros, mas é bem interessantel! Além de a história ser divertida, acho que o seriado tem potencial para chamar atenção pelo seu figurino:  estilo anos 80, que é quando se passa os fatos.

Uma das coisas quem são bem importantes no livro – no filme não foi tão marcante assim – é tal bolsa customizada da Carrie.

Resumindo: a mãe da Carrie, que morreu, tinha um it bag super linda e que ela gostava muito quando viva – tipo valor sentimental. Mas a irmã mais nova da Carrie fez o favor de pegar escondido no closet da falecida mãe e acabou sujando-a de esmalte. Carrie, que queria ficar com a bolsa, ficou arrasada quando viu que a irmã tinha estragado algo que significava tanto para a mãe delas. Mas ela não se abateu, deu um jeito de parecer que aquele “estrago” foi uma customização e aí a bolsa ficou super exclusiva, com o nome dela na frente.

Já me perguntei se eu teria coragem de customizar – espontaneamente, sem considerar nenhum incidente – uma bolsa assim e cheguei a conclusão que não. Especialmente se fosse uma bolsa de grife, daquelas que a gente paga bem caro, sabe?  Acho que tenho uma personalidade e um estilo pouco ousado para isso. Quem me conhece sabe que na hora de se vestir eu gosto de peças mais clássicas e quando se trata de bolsas não sou fã de nada muito “criativo” não.

Mas tem muita gente apostando na personalização das suas it bags. O brechó de luxo Shelf oferece o serviço em parceria com a blogueira e consultora de moda Juliana Ali. Você pode comprar a sua Louis Vuitton ou sua Gucci e já contratar a personalização.

Uma boa ideia para quem quer se arriscar em transformar sua bolsa em algo exclusivo é compra um modelo mais baratinho – tipo de fast fashion – é mais seguro, né? No blog da Forever21 tem um DIY para fazer uma bolsa como a da Carrie. Não acho muito interessante a pessoas gastar uma grana preta em um produto tão caro e depois alterá-lo.

Fotos: Blog Juliana e Moda – Para mais do trabalho dela: aqui

Fico pensando: será que daqui a alguns anos, essa peça que poderia ser um clássico, passar por gerações, vai continuar sendo usada? Será que essa onda de customização não é uma tendência (e com tendência a gente deve gastar pouco, lembram?) e no futuro você vai ser se arrepender de ter alterado a peça toda?  Você teria coragem de customizar sua it bag (se você

tivesse uma)?

JPG colcci 468x60
22
jan

Estilos universais: com qual (quais) você se identifica?

Quando a gente começa a estudar consultoria de imagem, ou em qualquer livro sobre o assunto, sempre tem dois capítulos importantes: tipo físico e estilos universais. O tipo físico a gente já falou aqui no blog. É bacana você identificar o seu e saber o que geralmente fica legal para cada tipo de corpo, o que valoriza a suas formas. Digo geralmente, porque em alguns casos as “regras” são quebradas e uma coisa que sempre dizem que não fica bem para determinado formato de corpo – exemplo: calça estampada para quem tem quadril largo – pode sim ficar bom. A gente só tem como saber experimentando.

Quanto aos estilos, eles são sete - romântico, esportivo/natural, clássico/tradicional, elegante, moderno, criativo e sexy – e dizem que a gente normalmente tem características de ao menos três deles.

Na minha humilde opinião – de quem ainda está no comecinho dessa história de estudar moda – não gosto muito de classificar ninguém em estilo não. Venho percebendo que as pessoas mudam muito e tem gente que pode passear pelos sete estilos, dependo do humor na hora de se vestir. Lógico que existe uma predominância nas nossas escolhas de moda, mas no final das contas, a maioria de nós – principalmente quem gosta de moda e tendência e está tão suscetível a esta última – acaba usando elementos que remetem a quase todos estes estilos. Então o que acaba acontecendo é que tem um deles que você usa mais, mas sempre tem um pouco dos outros. Dito isto, vamos a eles e suas características mais marcantes.

1. Romântico: não quer dizer necessariamente que seja tudo rosa e com lacinhos e babadinho. Esses elementos também fazem parte, mas tem muito mais coisa que remete a este estilo. Quem é romântico gosta de cores claras, nudes e tons pastéis (além do rosinha, tem azulzinho, verdinho, amarelinho…), detalhes femininos e delicados como laços , corações,  rendas e bordados, estampas florais, tecidos fluidos, formas de meninas mesmo como saias rodadas, cintura marcada, sapatos com bicos arrendados – mary janes sapatilhas..), bolsas menos estruturadas, acessórios delicados.

 2. Esportivo/natural: para ter o estilo esportivo, não precisa necessariamente praticar esportes (é esportivo, não esportista). O esportivo é a pessoa que prioriza o conforto, praticidade e simplicidade na hora de vestir. Aqui a escolha é para tecidos naturais, com caimentos mais soltos – nada apertando ou justo no corpo – que tenham um toque agradável. Os acessórios são simples e tem funcionalidade, como bolsa a tiracolo – que deixam as mãos livres para se movimentar melhor – sapatos confortáveis, baixos ou com saltos médios. As cores são mais neutras e quando usa estampas, são as clássicas como xadrez, poás e listras.

3. Clássico/tradicional: é aquela que passa uma imagem conservadora e super formal, tipo roupa de advogado, sabe? Peças com linhas retas, estruturadas, cores neutras – preto, branco, cinza, marinho – estampas discretas – risca de giz, tweed, pied-de-poile – e poucos detalhes, tudo mais fechado e composto (nada de decotes!). Os acessórios são clássicos: bolsas estruturadas, pérolas, sapatos de salto médio… Quem tem esse estilo não adota modismo e não costuma se arriscar com peças diferentes e que chamem atenção.

4. Elegante: aquele que tem uma aparência impecável, que mesmo usando uma calça jeans e camiseta passa um ar de sofisticação. Para estar sem com a cara de nasci-chic-assim, opta por combinações monocromática (que alongam a silhueta, e alongar a silhueta deixa a gente mais fina, nos dois sentidos) ou tom sobre tom: mesma cor em tons diferente ou cores diferentes no mesmo tom (tudo claro ou tudo escuro). Investe em peças de qualidade, com bons acabamento e caimento e de tecidos mais nobres (os naturais são os melhores: linha, lã, seda e algodão). Nos acessórios, adota os clássicos, mas com moderação, para não ficar tão careta.

5. Moderno: o moderno é aquele que não só anda muito elegante, mas com uma pitada de ousadia, uma imagem cosmopolita. Não é uma pessoa muito colorida, mas quando usa gosta de cores contrastantes e fortes (nada de tons pastéis): preto e branco, roxo com rosa, marinho com nude e por aí vai. É minimalista, poucas cores, estampas ou acessórios, deixando a atenção do look para as formas mais estruturadas, assimétricas e geométricas, modelagens diferenciadas, fendas, pontas… Aí também rola um pouco de brilho, mas não de paetês e sim dos metalizados. Eu podia ilustrar só com fotos da Taylor Tomasi (a primeira da montagem) porque para mim ela é a síntese do estilo moderno.

6. Criativo: é para quem gosta de experimentar e arriscar mais na hora de se vestir. É o estilo que passeia por todos os outros, porque sabe misturar muito bem: cores – alô colorblocking! – estampas, textura, comprimentos, sobreposições É aquela pessoa que usa uma peça super moderna com outra garimpada em um brechó e parece que as duas tem tudo a ver! Não tem medo de ousar nos acessórios e adora uma bolsa divertida, um sapato diferente, uma bijous chamativa. É tudo ao mesmo tempo agora e ainda assim fica tudo harmônico.

7. Sexy: a mulher sexy gosta de seduzir, de atrair os olhares, por isso abusa de cores fortes e exuberância. Para ser sexy não precisa ser vulgar. Tem uma frase que li no Oficina de Estilo que diz que “a sensualidade acaba transparecendo muito mais nos detalhes do que nas obviedades”, no mostrar a pele e as curvas, mas de um jeito que sugere e não escancara. Transparência, decotes, ombros à mostra, comprimento mini, maxi acessórios, salto alto, sandálias de tiras, pulseiras, couro… mas tudo na medida e não “tudo ao mesmo tempo agora”. Ninguém precisa estar embalada à vácuo e com decote por todas as partes do corpo para ser sexy.. isso aí tem outro nome..rs

E aí? Se identificou com quais deles? Ou você também tem um pouquinho de todos?

 Fotos: Reprodução

PS: Post originalmente publicado em 18/12/12.

18
dez

Como vender suas peças usadas na internet

Eu já tinha feito um post desse algum tempo atrás. Na época listei três brechós virtuais que recebiam peças de terceiros para vender, mas acho que vale uma atualização e inclusão de novas opções.

O primeiro deles é o enjoei, que a gente acabou de falar essa semana, sobre a parceria deles com a Joana Mouro e a Oficina de Estilo. Para vender é super fácil: você faz um cadastro no site e depois manda uma foto do produto que você deseja vender. O passo a passo está super explicadinho e é simples. Eles irão avaliar seu produto e se aprovado, entra no ar. Você mesmo que define o preço e se responsabiliza pelo envio.

O Adoro Brechó é uma opção mais restrita, porque eles só aceitam peças do Rio de Janeiro. Mas a seleção é exigente e não é qualquer peça que eles publicam. Você manda a foto do seu produto por email, com a descrição e preço. Eles avaliam e a partir daí entram em contato com você, também por email.

Outra opção boa é o Videdressing, que é parceiro do blog e a gente também já apresentou aqui para vocês em outra oportunidade. Também é na base do cadastro, mas é você quem administra suas vendas. Tipo um Mercado Livre, só que brechó, sabe? Tem de um tudo por lá: marca cara, marca barata, roupa, acessórios, sapato, roupa masculina, infantil…

E por fim, você pode montar seu brechó do seu jeito na Tanlup. Você monta sua lojinha, personaliza do seu jeito e põe seus produtos lá..

29
ago

Joana Moura e Oficina de Estilo no Enjoei

Um dos melhores brechó virtuais nessa internet afora, na minha opinião, é o Enjoei. Apesar de nunca ter comprado lá, já o conheço de velhos tempos e eles sempre tiveram uma seleção muito boa de peças – tem até vestido de noiva!!. Não vou dizer que os preços são uma pechincha, porque nem são mesmo. Mas acho também que conta o fato de ser um site confiável, organizado e com possibilidade de pagamento parcelado no cartão de crédito.

A novidade é que eles fecharam duas parcerias muito interessantes! A primeira é com a Um Ano Sem Zara, Joana Moura.  Então, se você curte os looks da moça, fica de olho lá no Enjoei, porque ela tá se desfazendo de algumas coisas. Por enquanto, tem muito óculos de sol e alguns vestidos e blusas. Mas acho que mais coisa virá. (aqui)

A segunda parceria é com a Oficina de Estilo. A gente aqui é mega fã dessas meninas e do trabalho que elas fazem! O blog delas é um aprendizado diário para quem gosta de se sentir bonita com suas roupas e acessórios. E elas não são blogueiras, são personal stylists que tem um blog para dar dicas de moda. Daí que produtos que vão pro Enjoei são das clientes dela. Legal isso, né? Bom que vai ter variedade de tamanho e estilos. (aqui)

Pois é, além das coisas super lindas do Enjoei, a gente tem mais esses dos motivos para sempre dar aquela espiadinha nas vitrines deles.. Vai que a gente acha uma coisa mega legal por um preço mais barato que da loja..

PS: Os produtos já Joana já foram todos vendidos! Super rápido! Então, é esperar ela separar mais peças e ficar de olho sempre! 

27
ago

Look de hoje: camisa jeans + short de “couro”

A gente demora de postar, mas não desiste do look do dia! hehehe É que depende de alguém para fotografar a gente, né? Mas vamos lá!

Sábado foi dia de brechó. Passei a tarde na Maddá conferindo de perto o Open Closet, bazar organizado pelas queridas Amanda Dragone e Dani Freitas. Vendi algumas pecinhas e também adquiri duas, em breve mostro aqui. Tinha um várias coisas legais e o pessoal fez a festa! Foi sucesso!

 

Como era fim de semana, à tarde e um programa informal onde eu ia passar muito tempo em pé, optei pelo conforto. Camisa jeans da C&A, short de couro da Leader, sapatilha Imporium. Completei com minha mais nova bolsa Chanel inspired e óculos tipo wayfarer da Marisa. Tudo baratinho! O mais caro mesmo era o cinto da MBExtra que eu uso tanto que no final das contas até saiu barato.

22
jun