Estudos, Moda

Diário de uma estudante de Moda 4.3

Nem sei por onde começar! Sabe quando você tenta seguir o cronograma, se organizar para não deixar acumular nada, mas mesmo assim as coisas vão embolando? Pois é, assim eu me encontro.  Acho que a estreia do Coletivo Minissaia, somado a esse início de trabalho de conclusão de curso me deixou fora do eixo e agora me dei conta que tem taaaanta coisa para fazer desse trabalho que não não sei por onde começar.

diaria-estudante-moda-3.4

Imagem meramente ilustrativa: Shutterstock

Eu tenho que criar uma marca e para ela, uma coleção. Mas isso aí, que pode parecer o começo, na verdade é o meio pro fim. De começo mesmo, a gente tem que pesquisar. Estudar marketing, definir público alvo, pesquisar dados, fazer esboço de modelo de negócio e painel de cenário de mundo. Eu já tenho uma ideia do que vai ser: quero criar uma multimarcas online, para vender marcas de médio e pequeno porte que produzam produtos artesanais, de estética limpa, minimalista, atemporal. Já conversei com os professores de Desenvolvimento de Negócios e Marketing, que gostaram da ideia, mas ainda é cedo para bater o martelo, muita coisa pode mudar.  É assim mesmo, a gente vem com uma ideia que acha massa, mas tem que ver se é viável, se tem demanda, se dá pra funcionar, porque se não dá, então melhor não continuar. Aí muda tudo e vai atrás de algo que seja rentável.

O primeiro passo por aqui está sendo definir público alvo. Ainda essa semana preciso fazer o exercício que a professora de marketing passou. Hoje, mostrei um esboço do meu Canvas para o professor de negócios, e tava ok, mas dá pra melhorar. E hoje também tenho que dar conta de montar um painel com cenário de mundo, que vai servir para criar a coleção lááá na frente. E que se parar para pensar, também é mega útil na hora de criar a marca também.  Afinal, nada melhor que observar como o mundo está para perceber quais os desejos das pessoas e preparar uma marca que venha a suprir isso né? Porque a gente acha que as ideias nascem da inspiração divina, mas nem é! As coisas funcionam melhor quando a ideia nasce de uma pesquisa, de uma base de informações que você já tem. Muito mais fácil identificar uma demanda e criar algo pra supri-la que criar algo do nada e depois ter que criar uma demanda para essa coisa.

Considerando que a gente anda vivendo um momento de crise econômica e as pessoas tem procurando comprar menos e melhor, buscando alternativas mais conscientes para o consumo, incentivando marcas que agem localmente, de forma artesanal, acho que é uma hora propícia para a minha ideia. Mas só os números poderão dizer isso… aguardem cenas dos próximos capítulos. Por enquanto, não tem fotos de bastidores para mostrar, já que tudo se resumo a papéis, números e planilhas. Semana que vem volto com o cenário de mundo e definição de público alvo prontos!   ;)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>